Viver é sobreviver às tragédias e ao pior de nós mesmos

Todos os dias somos bombardeados com notícias, relatos, reportagens e narrativas sobre tragédias. A gente pensa que já viveu uma situação ruim e, logo em seguida, vivenciamos uma ainda pior. Nem sempre é diretamente conosco, mas a situação nos afeta mesmo assim.

Diariamente assistimos a inúmeros espetáculos, ocorrências e manifestações de infortúnios: eles surgem em forma de acidentes, rompimentos e desastres. A certeza das vicissitudes nos força a sobreviver às adversidades. No entanto, nossa pior tragédia é viver sem esperança.

Vivemos a incerteza dos sentimentos. Hoje, queremos. Amanhã, não sabemos mais. A paixão sabe ter gosto amargo. Queremos continuar sonhando, mas a realidade nos apresenta a existência das coisas como elas são — sem fantasias ou maquiagens.

Esperamos pelos momentos felizes, pelos dias em que a alegria irradia contentamento e plenitude em nossas vidas. Ansiamos pelas boas notícias, pelos resultados positivos e pelas conquistas, mas quase sempre são as perdas, os sofrimentos e as tragédias que nos moldam.

Quase sempre é o sofrimento que nos possibilita consistência sentimental e intelectual. Quase sempre são os obstáculos que nos fazem preencher nossas maiores lacunas, reinventar as mesmices de nossa própria existência, percorrer caminhos desconhecidos e desbravar territórios inexplorados. Quando temos pouco ou nada a perder, temos tudo a ganhar — mais um dos tantos paradoxos da vida.

Quase sempre são os padecimentos, os tombos e as derrotas que nos proporcionam profundidade, intensidade e capacidade de superarmos a nós mesmos e a extrapolarmos as barreiras do cotidiano.

Quase sempre é a tragédia que nos desperta para a vida, que ilumina o nosso olhar com uma luz renovada, que ressignifica nosso sorriso e nos confere coragem para enfrentarmos novos desafios, afinal, só quem passou por pelo menos uma derrota entende como tudo é fugaz. E, justamente, por esse caráter efêmero, é necessários vivermos intensamente, sem ressalvas.

A vida é, de fato, um sopro. Fluida, rápida, passageira. E só quem passou por uma perda imensurável sabe o valor do que realmente importa. Mas, apesar das discrepâncias, de qualquer indiferença ou decepção, ainda acreditamos no amor. Tem que existir amor. No final, amar é tudo o que importa. O resto é poeira no vento.

Pra dois

Estar em um relacionamento só vale a pena se for com alguém que esteja disposto a superar os traumas e fracassos das relações anteriores. Que não tenha assuntos mal resolvidos, nem fique de conversa com o passado. Que saiba que para ser feliz é preciso deixar o decorrido para trás.

Estar em um relacionamento só vale a pena se for com alguém que só tenha interesse no futuro e que, principalmente, almeje um horizonte ao seu lado. Que te faça rir. Que te apresente uma vivência leve mesmo com toda a dureza da vida. Que seja refúgio, não caos.

Estar em um relacionamento só vale a pena se for com alguém que sinta o mundo todo desaparecer ao te envolver nos braços. Só vale a pena se for para transbordar, não deixar lacunas ou vazios. Que te faça arquitetar planos. Que te carregue por onde for.

Estar em um relacionamento só vale a pena com quem, apesar de conseguir viver sem você, escolha viver contigo. Só vale a pena com quem não se esconde e que não te esconde. Que seja claro, para não dar espaço para mal entendidos. Que fale o que faça e que faça o que fale.

Estar em um relacionamento só vale a pena se for com alguém que te apoie quando o mundo todo desacredita. Que fique ao seu lado em todos os momentos — das imprevisibilidades das mudanças de emprego às comemorações pelas conquistas tão valiosas.

Estar em um relacionamento só vale a pena se for com alguém que transforme seus sonhos em realidade. Que tope todas as suas loucuras. Que acredite em você, que não tenha dúvidas e que te queira mais do que qualquer coisa nesse mundo.

Estar em um relacionamento só vale a pena se for com alguém que te faça olhar para trás e agradecer por todas as pessoas erradas que passaram antes de sua chegada. E que, acima de tudo, te dê motivos para agradecer todos os dias a benção de poder viver um grande amor.